#ACONTECENAPUCMinas: Migrante sírio se forma em Ciências Biológicas

"Sou agora brasileiro. Olho agora para o meu futuro aqui no Brasil. O que eu mais quero é aprender a cultura local e poder oferecer o conhecimento que acumulei para a sociedade",

explica o sírio Khaled Tomeh no dia da formatura no Curso de Ciências Biológicas que acontece hoje, 24 de janeiro, na PUC Minas. A conquista do diploma é resultado de sete anos de longo caminho percorrido por Khaled e por sua família, que chegaram ao Brasil fugindo da guerra civil na Síria. Como Khaled, migrantes e refugiados de outros países, como Haiti e Venezuela, recebem apoio da Universidade, por meio da Cátedra Sérgio Vieira de Melo, entidade da Agência da Organização das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) que busca garantir que pessoas refugiadas e solicitantes de refúgio tenham acesso a direitos e serviços no Brasil, oferecendo valioso apoio ao processo de integração local.


Há sete anos no Brasil, Khaled conquistou o objetivo de se formar em Ciências Biológicas (Foto tirada por Raphael Calixto)


Em 2014, Khaled, os pais, o irmão e esposa saíram da Síria fugindo da guerra civil, iniciada em 2011, em busca de um novo lar. Formado em Engenharia de Agricultura e Engenharia de Alimentos na Síria, Khaled descobriu ao chegar ao Brasil que os certificados não eram válidos por aqui e que seria preciso recomeçar os estudos para se reestabelecer. Dali até o atual momento, Khaled trabalhou fazendo comida árabe sob encomenda, ministrando aulas de línguas, entre outras atividades, e teve duas filhas brasileiras. Agora, como biólogo, ele já prepara trabalhos que pretende publicar para seguir uma carreira acadêmica. "Conhecimento é responsabilidade e a ignorância o pior inimigo. É o que destruiu a Síria. Minha intenção é retribuir o conhecimento que adquiri e transformá-lo para o crescimento da sociedade que me acolheu", afirma.


Khaled reforça que contou com o apoio de muitas pessoas e da PUC Minas para chegar à conquista do diploma. Assim como ele, outros imigrantes e refugiados contam com o respaldo da Universidade para se estabelecerem. Se antes a PUC Minas oferecia várias oportunidades a esse segmento, a partir de 2019, a Instituição passou a integrar oficialmente a Cátedra Sérgio Vieira de Mello.

Por meio da Cátedra, abrigada no Instituto de Ciências Sociais da PUC Minas, a Universidade assiste a refugiados, migrantes e apátridas em várias demandas, como atendimento odontológico, fonoaudiológico e psicológico, por meio das clínicas do Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde (ICBS); e orientações jurídicas, por meio do SAJ, sobre naturalização, documentações, direitos trabalhistas, etc. Há também apoio da Cátedra nos pleitos de bolsas institucionais da Universidade.


Está também em desenvolvimento, pelo Instituto de Ciências Exatas e Informática (Icei), uma plataforma de cadastro para sistematizar o serviço de acolhida, entrevista e encaminhamento de imigrantes e refugiados aos serviços oferecidos pela Universidade, que é feito pelo Curso de Serviço Social.


Leia mais em: https://www.pucminas.br/sala-imprensa/noticias/Paginas/Migrante-s%C3%ADrio-se-forma-em-Ci%C3%AAncias-Biol%C3%B3gicas-na-PUC-Minas.aspx

53 visualizações0 comentário