Trabalho e renda para migrantes no enfrentamento da COVID-19

O projeto de extensão LER PUC Minas e o Cio da Terra – Coletivo de Mulheres Migrantes estão participando de uma ação do Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados (SJMR) que visa promover a geração de trabalho e de renda para mulheres e jovens migrantes e refugiados durante a pandemia da COVID-19. Inicialmente, já foram produzidas e distribuídas, gratuitamente, 350 máscaras de tecido.


O Serviço Jesuíta a Migrantes e Refugiados (SJMR), em parceria com o projeto de extensão LER PUC Minas (Leitura e Escrita com Refugiados e Migrantes) e o Cio da Terra - Coletivo de Mulheres Migrantes, desenvolveu o projeto Protagonismo Migratório no Combate às Desigualdades Sociais na Pandemia da COVID-19, que acaba de receber financiamento da organização alemã Eugen Lutter, que tem como referência no Brasil o padre jesuíta Martinho Lenz SJ. O projeto visa promover a geração de trabalho e renda de mulheres e jovens migrantes e refugiados, no campo da atuação social. Entre as ações previstas estão a identificação dos mais pobres e vulneráveis, na comunidade, o seu esclarecimento sobre a COVID-19 e os seus direitos sociais no período da pandemia. Além disso, a produção e distribuição gratuita de máscaras e o compartilhamento de informações que visam à proteção individual e comunitária, de forma a combater o risco da desinformação e esclarecer o perigo das notícias falsas.


O projeto LER, atividade de pesquisa e extensão do Programa de Pós-graduação em Letras da PUC Minas (Núcleo de Direitos Humanos e Inclusão/Proex), vem realizando ações interinstitucionais com o objetivo de contribuir para a geração de trabalho e renda de mulheres e jovens migrantes.


A demanda pelas atividades partiu do haitiano Jim Davidson Jean, integrante do LER, que está desenvolvendo um importante trabalho social junto à sua comunidade. A ação gerou, inicialmente, a distribuição gratuita de 350 máscaras de tecido. A produção, desenvolvida por costureiras do Cio da Terra – coletivo de mulheres migrantes –, foi comprada por "padrinhos" e doada para comunidades de migrantes e refugiados, de diferentes nacionalidades, em situação de vulnerabilidade, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.


Coordenada pelas professoras Sandra Cavalcante e Josiane Militão, do Projeto LER, a ação contou com o trabalho colaborativo das professoras Luciane Ferreira e Marcela Dezotti, do Projeto Pró-Imigrantes/PLA (Proex/Faculdade de Letras - UFMG), e dos professores Patrícia Cardoso, Gustavo Villanueva, Eric Costa, do Grupo de Estudos Migratórios: acolhimento, linguagens e políticas (Gemalp – Cefet/MG). Prefeitura de Contagem recebe mais de duas mil máscaras A Secretaria de Desenvolvimento Social da Prefeitura de Contagem recebeu 2.200 máscaras de proteção contra o Coronavírus, produzida por seis mulheres da Venezuela, Haiti, Síria e República Democrática do Congo, como parte do projeto Protagonismo Migratório no Combate às Desigualdades Sociais na Pandemia da COVID-19. De acordo com a Prefeitura, serão destinadas 1.200 máscaras para a população em situação de rua; e as demais serão encaminhadas aos centros de referência de assistência social de Contagem para serem repassadas aos imigrantes e refugiados residentes na cidade.

Confira mais informações na matéria publicada no site da Prefeitura de Contagem: http://www.contagem.mg.gov.br/novoportal/2020/06/18/secretaria-de-desenvolvimento-social-recebe-2-200-mascaras-do-servico-jesuita-a-migrantes-e-refugiados/.


4 visualizações0 comentário